A causa do ‘decaída’ masculino depois do sexo

casal sexo 


A paixão intensa do sono profundo em poucos minutos. Uma das transições biológicas mais rápidas no homem acontece após o coito: é o período refratário, o “aumento” produzido depois do orgasmo, depois de ejacular, e que se alonga até que o homem é capaz de iniciar uma relação sexual.  Alguns homens tem uma dificuldade de recuperar essa ereção e esquecem quetem produtos como o Libid Gel que ajuda o homem a recuperar rapidamente a sua ereção dentro de poucos minuto pois essa decaída pode durar desde alguns minutos para os homens mais jovens até algumas horas. Esta fase está relacionada com um jogo complexo de hormônios, entre elas, a prolactina.


A mesma hormona que faz possível o aleitamento materno está envolvida em cerca de 300 processos biológicos, entre eles a produção do sêmen e também o desejo sexual.


A pesquisadora Susana Lima do centro Champalimaud for the Unknown, como parte de sua série de publicações Da neurobiologia do sexo, foi observado este processo em ratos de laboratório: “é chocante verificar como antes da ejaculação, a fêmea é o objeto mais desejado e, logo depois do orgasmo, fica relegada a um segundo plano“, explica. Durante diferentes fases do comportamento sexual de ratos, foram medidos os níveis de prolactina e observou-se que, após o orgasmo e a ejaculação, ocorre um pico nos níveis de prolactina em ambos os sexos, o que coincide com uma diminuição do desejo sexual.

Evolutivamente, pode ser explicado da seguinte maneira: dado que biologicamente o objetivo da ejaculação é a reprodução, o homem tratará de manter as energias até que possa acasalar com outra fêmea. Uma fase de reserva que se lhe atribui a prolactina. Apesar disso, ainda faltam mais estudos que o corroboren. “Uma maneira de encurtar o período refratário seria apresentar uma nova fêmea“, explica a pesquisadora. Isso aumentaria o nível de um outro tipo de hormônios, como a dopamina e a adrenalina, e de volta a despertar o desejo sexual.

Não obstante, a relação entre a prolactina e o desejo sexual foi estabelecido anteriormente. Os homens que sofrem de um tumor de hipófise experimentam uma superprodução de prolactina, e isso produz uma diminuição do desejo sexual. O mesmo acontece com as mulheres que estão a amamentar, momento em que os níveis de prolactina aumentam.


Portanto, poderia o controle sobre a prolactina se tornar o substituto do viagra? Em teoria, diminuindo conscientemente os níveis de prolactina podemos manipular, neste caso, aumentaro desejo sexual. Para Lima, a prolactina parece ser um sério candidato. “Nestes momentos, estamos bloqueando prolactina nas áreas cerebrais que sabemos que são importantes para o comportamento sexual e ver quais destas áreas se acendem”, explica. Ainda falta verificar exatamente em que medida está envolvida prolactina no desejo sexual.